Juntar pais e filhos

Mattel, marca internacional líder em entretenimento infantil, preparou com a ajuda de Vera Ribeiro da Cunha, Psicóloga Educacional, um conjunto de 10 conselhos que ajudam a coordenar o teletrabalho com o entretenimento e aprendizagem infantil em casa. Com o encerramento das escolas e a limitação de deslocação com que os portugueses se deparam nos dias de hoje, o que antes era rotina tornou-se agora num verdadeiro desafio. Longe de ser um problema, o contexto atual traduz-se numa oportunidade para juntar pais e filhos numa experiência inigualável.

Com a ajuda da Psicóloga Educacional Vera Ribeiro da Cunha, descobre um conjunto de sugestões para aproveitar, da melhor forma, este tempo em família:

1- Manter a calma e a tranquilidade. Os filhos são o reflexo dos pais e absorvem tudo. É importante explicar às crianças que se está a passar por um momento singular na vida e que durante uns tempos as coisas vão ser diferentes.

2 – Elaborar um plano diário para a “sanidade mental” de todos. Os horários de trabalho dos filhos e dos pais têm de ficar bem estabelecido. Se possível, deve arranjar-se um local que sirva de escritório. Se ambos os adultos estiverem em teletrabalho, é preferível que as reuniões laborais não sejam nas mesmas alturas, para que esteja sempre alguém disponível para ajudar os filhos. 

3 – Manter uma rotina. Crianças e jovens devem acordar no horário habitual, vestirem-se adequadamente e alimentarem-se de forma saudável para depois se dedicarem às tarefas escolares. O mesmo se aplica aos pais. Os ritmos biológicos devem ser mantidos e, embora o dia a dia seja passado em casa, deve trocar-se o pijama pela “roupa normal”. As rotinas trazem consigo a “certeza” do que vai acontecer, passando essa sensação de segurança às crianças.

4 – Além do plano de atividades, para simplificar deve também criar-se um plano de tarefas domésticas e de refeições. Todos devem ajudar. Assim, é possível promover as relações familiares, a interajuda e a responsabilidade de cada um. As crianças devem fazer a sua cama, colocar a roupa suja no cesto, ajudar a dobrar roupa e os mais velhos já podem ajudar mesmo na confeção das refeições. Sem saber, estão a reforçar-se laços afetivos, momentos de partilha e, de certa forma, a educar-se os filhos para serem responsáveis e autónomos.

5 – Limitar o tempo dos ecrãs. Por mais tentador que seja, demasiadas horas em frente a um ecrã são vivamente desaconselhadas. 

6 – Explorar a criatividade. O momento é ideal para dar um novo destino às revistas, jornais velhos e materiais reciclados. Podem fazer-se colagens, entre outras atividades. Para procurar ideias basta aceder-se à Internet. Com isto trabalham-se as noções espaciais, matemáticas e sociais, mesmo sem saber.

7 – Recorrer também a jogos e brinquedos que promovam, simultaneamente, a diversão e a aprendizagem. Nada melhor do que um jogo de tabuleiro, cartas, jogo do galo, stop ou mímica para entreter, seja entre irmãos ou até mesmo entre a família toda. Acampar na sala, fazer um piquenique na varanda, elaborar teatros através de uma história, etc. Recorrer à fantasia e à imaginação para se passar bons momentos em família é também uma boa alternativa.

8 – Pôr o corpo a mexer. No plano referido anteriormente, é necessário não esquecer a atividade física. Tendo em conta que nem todas as famílias têm casa com jardim para as crianças correrem, é importante para a saúde manter o corpo em movimento. Pais e filhos poderão recorrer à Internet para fazer exercício em casa ou pôr música para dançarem todos juntos no meio da sala. É terapêutico.

9 – Utilizar as plataformas das redes sociais para manter as relações de amizade. Para as crianças que ainda não são autónomas e que não têm idade para terem essas aplicações, poderá fomentar-se estes laços de amizade também com os familiares. Eles agradecem.

10 – Desfrutar do tempo em recolhimento em família porque, na verdade, é um autêntico privilégio conseguir ver os filhos crescer. O ideal é dançar, cantar, rir bem alto, para que as gargalhadas contagiem os vizinhos, conversar mais, brincar mais, mimar mais, criar boas memórias nos mais pequenos.

Brincar para Aprender

Por seu lado, Céline Ricaud, Head of Marketing de Espanha e Portugal da Mattel, declarou: “Sabemos que muitos pais estão à procura de formas de lidar com a atual situação com os seus filhos em casa. De mãos dadas com uma psicóloga e como especialistas em brinquedos há 75 anos, queremos ajudar e acompanhá-los nesta fase extraordinária, oferecendo maneiras divertidas de passar o tempo em família. Os jogos, tanto para as crianças como para os adultos, apresentam diversos benefícios: promovem a diversão, a aprendizagem, os bons momentos em família e contribuem para a redução dos níveis de stress. Desejamos que todos descubram que podem desfrutar juntos destes momentos”.

Embora seja importante que as crianças estabeleçam uma nova rotina semelhante à que seguiam até aqui, esta é uma boa oportunidade para brincar mais e, acima de tudo, aproveitar a brincadeira para aprender. Nesse sentido, a Mattel selecionou os melhores jogos e brinquedos para aproveitar, de forma lúdico pedagógica, este período em casa.

Jogos para aprender em família

Os jogos de tabuleiro são perfeitos para desfrutar do tempo em família e, na verdade, muitas delas já contam com um baralho de cartas UNO, um jogo de Scrabble ou de Pictionary em casa.

As famílias já conhecem os jogos e todas as suas regras, por isso agora é a altura certa para dar um passo em frente, aproveitar ao máximo a aprendizagem e rever diversas matérias nestes desafios divertidos.

Com o UNO poderão brincar e aprender com os números, através de somas e multiplicações, e até mesmo com as cores, no caso das crianças mais novas. Os pais poderão propor aos filhos desafios de agilidade e rapidez para que estes descubram, o mais depressa possível, os resultados das somas ou multiplicações de diferentes cartas. Poderão também, transpondo o cenário para as letras, desafiá-los a criarem palavras ou expressões com o Scrabble, ou até mesmo estimular a sua criatividade e psicomotricidade com o Pictionary.

Jogos para crianças e bebés até aos 3 anos

Para os mais pequenos, qualquer jogo é uma nova descoberta. É o momento ideal para continuar a trabalhar as suas habilidades psicomotoras, aprendendo a empilhar e construir com os Mega Bloks. Além de construir podem também destruir as suas obras de arte, o que acaba por ser igualmente divertido.

Quando os pais brincam com os seus filhos, ajudam-nos a desenvolver a sua criatividade, coordenação, destreza e capacidade de resolução de problemas. E se para isso utilizarem a sua mascote preferida, como o Cãozinho Aprender e Brincar da Fisher-Price, brincar pode ser ainda mais divertido. Este é o momento para voltar a ser criança.

Brinquedos para crianças entre os 3 e os 7 anos

Brincar com bonecas e bonecos prepara as crianças para o futuro, uma vez que estimula a sua imaginação, autoexpressão e criatividade. Onde um adulto vê uma casa ou um carro de brincar, uma criança vê diversas coisas e um sem número de histórias maravilhosas para contar. A quantidade de histórias que podem ser criadas em torno de bonecas como a Barbie, Enchantimals ou Cloudees são praticamente infinitas.

Construir pistas, fazer corridas e desfrutar dos choques entre dois ou mais carros é divertido para as crianças, mas também para os adultos. Com carros, pistas e acrobacias, as crianças podem experimentar, desenvolver habilidades para a resolução de problemas e estimular a sua criatividade e imaginação. A Hot Wheels também desperta e incentiva o espírito de desafio e competição saudável nas crianças, de forma a alcançarem sempre o seu potencial máximo.

Deixar uma resposta

Obrigado pr subscreveres a nossa página!

Algo está errado! Tenta de novo, por favor!

A Casa do João will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.
%d bloggers like this: